12018ago.
Saiba driblar os efeitos do frio ao andar de moto

Saiba driblar os efeitos do frio ao andar de moto

Saiba driblar os efeitos do frio ao andar de moto


Entenda quais são os cuidados que devem ser tomados para o motociclista não entrar numa fria


O inverno chegou, as temperaturas começam a cair, mas o tempo sem chuvas é convidativo para sair de moto. Porém, é importante levar em consideração cuidados com o corpo para não “entrar em uma fria”.
A queda de temperatura leva também à redução do calor corporal, o que pode ter consequências para a saúde e a segurança do motociclista. Além disso, a combinação de vento e velocidade contribui para a sensação térmica baixa e aumenta o risco de hipotermia.

Se a temperatura do corpo chegar a 34°C, já é considerado hipotermia. “O corpo precisa ser mantido a 36,5°C, que é o normal”, diz o médico da Associação Brasileira de Medicina do Tráfego (Abramet) Dirceu Rodrigues Alves.

Segundo o especialista, durante a pilotagem o corpo dá uma série de sinais de que a temperatura pode estar abaixo da ideal. Os mais fáceis de identificar são o endurecimento das extremidades (dedos, nariz), que se contraem para manter a circulação, e o processo de irritação dos olhos.

Esses dois sintomas já podem gerar risco à segurança de quem pilota. Extremidades contraídas têm menor mobilidade e ficam sem sensibilidade para uma frenagem de emergência. Os olhos irritados podem afetar a visão do piloto.

O batimento cardíaco aumenta para garantir que o sangue seja bombeado para todo o corpo, a fim de garantir a temperatura ideal. As funções cerebrais também ficam mais lentas conforme a temperatura do corpo cai. O resultado são respostas e comandos mais lentos para o corpo, que podem levar a uma reação atrasada.

Alves diz também que, em condições extremas, pode ocorrer a necrose, que é a morte do tecido. As partes mais atingidas são as extremidades, como ponta dos dedos dos pés e mãos, orelhas e nariz.

Cuidados com o corpo

Segundo o médico, para se proteger do vento e do frio, o motociclista deve aumentar a camada de roupas, além de tomar líquidos quentes antes de pilotar em dias de temperatura baixa.

“O ideal é que não seja apenas quente, mas também calórico, como um chocolate”, afirma. Assim, o corpo tem uma fonte extra de caloria para retomar a temperatura. “Respeitar os limites do organismos e os sinais que ele dá é essencial.”

Roupas de pilotagem

Além de seguir as dicas, é importante usar o equipamento adequado para pilotar no frio. Acessórios de proteção como luvas, jaquetas e calça devem ser próprios para o inverno. Essas peças não têm muitos pontos de ventilação e não são perfuradas, como as indicadas para o calor.

É ideal usar ainda roupas térmicas, a “segunda pele”. O tecido retém o calor do corpo e evita o suor, já que ele causa queda da temperatura.

Dicas para evitar a perda de calor

– Afaste-se do vento e procure um lugar fechado;
– Vista mais camadas de roupa ou use peças grossas;
– Beba líquidos quentes e calóricos, como chocolate;
– Fique atento aos sinais de hipotermia: articulações duras, arrepios, reflexos reduzidos e respostas motoras lentas.

Fonte: Jornal do Carro

Avalie esse post